Crônicas OCAS

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008


Uma cidade e o rio

Quando se tem quatro anos, é difícil compreender a atmosfera da cidade que se apresenta como sua nova morada. São apenas pensamentos e divagações que ajudam a fazer perceber e reconhecer o ambiente ao redor. Um conjunto de sensações aparentemente desconexas, mas que permanecem na essência por toda a vida.
Eu tinha exatos quatro anos quando cheguei a Juazeiro. Vinha de Salvador, uma viagem que a mim pareceu longa demais, trazendo comigo, além de minhas bonecas e meu travesseirinho de estimação, a lembrança da imensidão do mar soteropolitano. Aqui eu não encontrei aquele mar de minhas memórias infantis, mas tive a felicidade de ter como paisagem de minha janela as águas sempre brincalhonas do rio São Francisco. Foi, como diriam os mais afoitos, paixão à primeira vista.
Permanecia horas olhando o rio correr apressado, levando vida aos lugares por onde passava. Ficava imaginando como começava, onde teria um fim. Ele me ensinou a reconhecer o cheiro da chuva, antes mais corriqueira, que vinha sorrateiro e dominava o ambiente e a admirar a cortina de água que se formava quando se encontrava com os pingos da chuva. Em períodos de cheia, eu saía para pescar com o velho e solitário morador da frente. Ele vivia em uma espécie de cabana cercada por plantações de manga e banana e um pequeno curral onde criava cabras. Parávamos em seu paquete a uma boa distância da margem e lá ficávamos em total comunhão com o rio, sem ao menos nos dar conta de que o tempo passava.
A cidade interiorana das histórias que minha avó contava agora era a minha cidade. Havia crianças correndo na rua até tarde da noite, havia galinhas, coelhos e pássaros no quintal de minha casa, além de uma pequena variedade de árvores frutíferas. E foi essa a imagem de Juazeiro que se conservou em mim. Uma cidade quente e acolhedora, que respira sob as águas em liberdade do rio São Francisco.


Inês Guimarães




4 comentários:

Anônimo disse...

Nem tão oca assim... (Germano)

Lid disse...

Inês, lindo texto!!!!!!!!!!!!!!!! O oco nem sempre é oco, muitas vezes é cheio de conteúdo, não é verdade???? Continue... Ah! Primeiro comentário meu no blog de vcs, que emoção!! Com certeza, daqui sairão muitas coisas interessantes. Essa equipe tem futuro!!! Ah! Depois eu quero uma foto, rsrrsrrs. Bjossssssss

Jan disse...

Iá,iá,iá, isso é Juá! Com flamboyants o_o

Leo Borges disse...

Excelente o texto... Mas ainda duvido da tal pescaria!