Um outro oco Brasil

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008




O sol se põe. Ligo a televisão e vejo que em várias avenidas outros sóis continuam a brilhar. E assim acontece sem parar durante sete dias. O Brasil se reveste de alegria e segue por uma semana o ritmo compassado dos tambores afro e da agitação frenética dos trios elétricos. Como uma alegoria gigantesca, sai às ruas exibindo a felicidade que implora por não ter fim. Nesse período não há mortes, não há corrupção, não há pobreza nem sofrimento. Tudo segue harmoniosamente cadenciado.

Desligo a televisão. Meu quarto ecoa as músicas de sucesso do carnaval baiano. Segue involuntariamente atrás da batida do trio que passa arrastando multidões. Tento ler o jornal, mas o que vejo em suas páginas estranhamente coloridas não condiz com o Brasil que costumo ver. É um Brasil camuflado em seu contentamento passageiro. Altas doses de diversão injetadas de uma só vez. Vejo que o Brasil carnavalesco, mesmo que por um momento, esqueceu o Brasil de verdade. E lamento muito por isso.



Inês Guimarães

10 comentários:

Fábio disse...

É o escapismo minha cara...

cecílio bastos disse...

Camuflam tanto que nem ao menos um jornalismo cultural conseguem fazer. Poxa! Se vão excluir corrupção, tragédia, denúncias, etc, etc, dos noticiários, então façam bem feito! Ivete Sangalo cantou bem? Bel Marques desafinou? Moraes Moreira tocou as músicas mais antigas? Mas não! Se interessam pela simulação de beijo de Ivete Sangalo na boca de apresentador. Pelo beijo do ministro Gilberto Gil na boca de Lulu Santos (capa em vários jornais do País). Pelo âncora do jornal de meio dia que fica olhando as pernas das garotas enquanto dança pagode. O choro de Cláudia Leite é mais importante do que suas próprias palavras. Cadê a função crítica do jornalismo? Ligamos a TV e tentam nos obrigar a ficar vendo celebridades globais se divertindo no carnaval. Por muitas vezes os "jornalistas" eram o foco dos festejos. Fico mesmo é preocupado com a imagem da Bahia e do Brasil que transmitiram ao que não se cansavam de dizer: "transmissão ao vivo para mais de 50 países..." E não me restrinjo apenas na G... B, R, S, T... O alfabeto todo!

Anônimo disse...

Bastante coerente, Inês...

Paty disse...

E ainda distribuem a pílula do dia seguinte, com uma campanha: "Não Transforme o seu Desejo em Gravidez Indesejada". Ora, agora se tem uma preocupação a menos. Assim a mídia pode continuar na simulação do beijo de Ivete e em busca de depoimentos das celebridades que passam o carnaval na Bahia. É realmente lamentável essa injeção de felicidade, em que os problemas são camuflados. Brasil lindo, não?! Só alegria... E agora? E depois? Parece que hoje começa a vida real!

Jota disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Carnaval é cultura... nossa cultura!

"BRASIL? Carnaval! Futebol! Ronaldinho!"

O Carnaval e a Copa do Mundo são os únicos momentos de felicidade coletiva que temos, indenpendente de classe social.
É lamentável, sim, não haver mais dias assim.

"Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu..."

Renata Gomes.

Gui disse...

"E que você descubra
Que rir é bom
Mas que rir de tudo
É desespero..."
(Frejat/Mauricio Barros/Mauro Sta. Cecília)

Estamos sem motivos para risos!

Catatonic disse...

"Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu..."
Renata Gomes


Graças a Deus já estou morto então!

Jan disse...

E eu fico é assustada...

por aí - sempre em todos os lugares... disse...

desabafo, poesia, bate-boca, discussão... falta o quê para ser um oco completo?
suponhamos que eu agora fosse lá na cozinha e fizesse um O com o copo...
peraí. Tempo...
vou publicar logo, talvez eu não volte mais, eu digo, talvez eu não volte hoje...
mas o carnaval sim, este voltará ano que vem certamente.
é como o oco que nos constitui, entendem?
beijos nas vossas faces, queridinh@s... amo muito tudo isso.